Médico é condenado a até 175 anos de prisão após abusar de ginastas nos EUA - Mundo | Valter Vieira - Informação de qualidade
15 de agosto de 2018
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

MUNDO - 24/01/2018

Médico é condenado a até 175 anos de prisão após abusar de ginastas nos EUA

Médico é condenado a até 175 anos de prisão após abusar de ginastas nos EUA Depois de uma semana de julgamento e sentidos depoimentos de mais de 150 ginastas, o ex-médico da Federação de Ginástica dos Estados Unidos (USA Gymnastics) Larry Nassar conheceu nesta quarta-feira sua sentença. Ele foi condenado a até 175 anos de prisão por abusar sexualmente de atletas, a maior parte delas menor de idade. O julgamento era referente a sete dos seus crimes cometidos em Michigan, todos de abuso, mas a juíza Rosemarie Aquilina permitiu que todas as ginastas abusadas por Nassar comparecessem para prestar depoimento. O resultado foi longas e comoventes audiências, que tomaram conta do noticiário dos Estados Unidos até esta quarta. Desde o início, a juíza Aquilina se mostrou disposta a fazer Nassar pagar por seus crimes. E nesta quarta-feira, admitiu a satisfação com a condenação. "Você não fez nada para merecer sair da prisão novamente. Eu acabei de assinar sua pena de morte", declarou. Nassar, de 54 anos, já havia se declarado culpado por abusar de sete pessoas na região de Lansing, mas foram liberados os depoimentos de todas aquelas que quisessem acusá-lo no julgamento desta semana. Inicialmente, cerca de 80 mulheres iriam falar em três dias, mas novas vítimas foram aparecendo. No total, foram 158 testemunhos em sete dias de audiência. Após as acusações iniciais de Rachael Denhollander, primeira pessoa a tornar públicas as acusações contra Nassar, mais e mais ginastas ganharam voz contra o médico, incluindo campeãs olímpicas pelos Estados Unidos, como Simone Biles, Gabby Douglas, Aly Raisman, Jordyn Wieber e McKayla Maroney. Estas mulheres narraram que o médico as tocava com as mãos, sem qualquer justificativa, quando estavam na maca de exames. Elas eram menor de idade quando os crimes aconteceram e explicaram que não se manifestavam na época por confiarem em Nassar, por se negarem a aceitar o que ocorrera ou por medo de fazer uma denúncia. O próprio Nassar já havia sido condenado em dezembro do ano passado a 60 anos de prisão por posse de pornografia infantil. Diante de tantas evidências e do comportamento do médico nos últimos anos, a juíza Aquilina não mediu palavras ao criticá-lo nesta quarta. "É uma honra e um privilégio condená-lo. Vocêé um perigo, continua sendo um perigo", afirmou. "Estou considerando o impacto de todos os depoimentos, não apenas das sete mulheres relacionadas às acusações. Não era medicina o que você fazia, não era um tratamento. Você não é um médico. Não mandaria meus cachorros para você. Você sabia que tinha um problema desde jovem, antes de virar um médico. Isso está claro para mim. Você poderia ter se afastado da tentação, mas não o fez. Sua decisão de molestar foi precisa, calculada, desonesta, desprezível." Ao longo da semana, Nassar criticou a abertura dada para que todas as ginastas falassem no julgamento e acusou Aquilina de transformar o processo em um "circo midiático", mas foi duramente repreendido pela juíza. "Você pode achar duro estar aqui escutando, mas nada é mais difícil do que aquilo que suas vítimas encararam por milhares de horas nas suas mãos." Nesta quarta, Nassar mudou a postura e se disse arrependido de suas ações. "Suas palavras nos últimos sete dias tiveram um impacto significativo em mim, me abalaram muito, me estremeceram até a espinha. Não tenho palavras para dizer o quanto estou arrependido. Vou carregar suas palavras pelo resto dos meus dias", afirmou. BN

Enquete

Você concorda com a reforma da previdência?

*Enquete encerrada.
  • 3%
  • 24%
  • 74%