Carlos Miranda relata pagamento de propina envolvendo o governo do RJ e a Oi - Justiça | Valter Vieira - Informação de qualidade
10 de dezembro de 2018
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

JUSTIÇA - 26/07/2018

Carlos Miranda relata pagamento de propina envolvendo o governo do RJ e a Oi

Carlos Miranda relata pagamento de propina envolvendo o governo do RJ e a Oi

Novos trechos da delação de Carlos Miranda - operador do esquema de corrupção no governo de Sérgio Cabral - revelam, pela primeira vez, detalhes de pagamento de proprina envolvendo o estado e a empresa de telefonia Oi.

Miranda afirmou que, em 2008, Cabral o informou que houve acerto entre o governo do estado e a Oi para renovação do contrato de telefonia e que o valor de propina ajustado foi de R$ 4 milhões.

O delator contou que o valor foi ajustado com Rogerio Nora, ex-presidente da Andrade Gutierrez - que erar uma das controladoras da Oi. Miranda também disse que os valores eram pagos por Alberto Quintaes, outro ex-executivo da empresa.

Carlos Miranda disse que Cabral mandou dar R$ 500 mil para Wilson Carlos, então secretário de governo por prêmio pela negociação, e que o dinheiro foi enviado ao exterior. O delator também disse que outros 500 mil para Regis Fichtner, então secretário da Casa Civil. A propina teria sido entregue no escritório de advocacia de Fitchner.

Miranda disse ainda que ouviu de Cabral que parte dos valores das vantagens indevidas destinadas ao ex-governador foi paga por meio de contrato de advocacia firmado com o escritório da ex-primeira-dama Adriana Ancelmo. Miranda diz que não sabe dizer, porém, se isso de fato aconteceu.

Segundo as investigações, Carlos Miranda gerenciava o recolhimento de propina da organização criminosa que se instalou no governo do estado.

Miranda já tinha apontado corrupção em áreas do governo estadual como comunicação, ciência e tecnologia, obras, planejamento e na Loterj.

Questionada se executivos da Andrade Gutierrez omitiram informações sobre o suposto pagamento de propina entre a Oi e Cabral, a Procuradoria Geral da República informou que os acordos de colaboração premiadas seguem regras e se comprovada omissão ou mentira, há sanções previstas. Mas não há como confirmar nesse momento.

O que dizem os citados

A Oi disse que a atual administração da companhia desconhece o assunto e que a Andrade Gutierrez não tem mais participação na empresa.

Para o governo do Estado, as declarações são muito vagas e não podem ser esclarecidas.

A defesa de Adriana Ancelmo contesta qualquer recebimento de vantagem indevida.

O advogado de Regis Fichtner nega que ele tenha recebido qualquer quantia de origem ilícita. Nós não conseguimos contato com os outros citados na reportagem.

A Andrade Gutierrez declarou não ter conhecimento dos fatos relatados. Disse que não é acionista da Oi há três anos e que está está à disposição da Justiça.

G1

Enquete

Você concorda com a reforma da previdência?

*Enquete encerrada.
  • 3%
  • 24%
  • 74%