Kátia Vargas: promotores têm cinco dias para entrar com recurso no TJ-BA - Justiça | Valter Vieira - Informação de qualidade
13 de dezembro de 2017
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

JUSTIÇA - 07/12/2017

Kátia Vargas: promotores têm cinco dias para entrar com recurso no TJ-BA

Kátia Vargas: promotores têm cinco dias para entrar com recurso no TJ-BA

Apesar de o júri popular ter absolvido, nesta quarta-feira (6), a médica Kátia Vargas, a decisão cabe recurso. A acusação - Ministério Público e assistência - tem cinco dias para entrar com recurso no Tribunal de Justiça (TJ-BA). Os recursos podem passar pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e chegar ao Supremo Tribunal Federal (STF).

A família dos irmãos Emanuel e Emanuelle Gomes Dias, 21 e 23 anos, mortos no acidente de trânsito em 11 de outubro de 2013, disse que vai recorrer da decisão.

Ela disse que a justiça não foi feita, mas que continua acreditando e que já esperava por uma sentença assim. “Eu já esperava que ela fosse condenada ou inocentada. Eu já esperava por isso”, afirmou.

Leia mais: Confira tudo o que aconteceu no segundo dia de julgamento da médica Kátia Vargas

A acusação também garantiu que não vai deixar o caso se encerrar com a primeira decisão. “Indignação, porque quatro pessoas sem compromisso com a Justiça sentaram ali predeterminadas a absolver uma pessoa que cometeu um crime bárbaro. Ou seja, elas votaram em uma coisa que nem a defesa pediu, elas negaram. Ou seja, é como se dissessem que aqueles dois jovens tivessem se matado, que ela não estava ali. Absurdo”, declarou o promotor Davi Gallo.  O promotor Luciano Assis considerou a decisão contrária às provas dos autos.

“Decisão manifestamente contrária às provas dos autos, cabe recurso, nós vamos interpor e esperar que seja acolhido pelo Tribunal de Justiça”, disse Luciano Assis.

Já o assistente da acusação, o advogado Daniel Keller, que era professor de Emanuelle no curso de Direito da Faculdade Ruy Barbosa, disse que esta é somente a primeira instância. “Apesar da repercussão, nós temos que lembrar que é um julgamento como qualquer outro. Isso faz parte da democracia e do direito. Qualquer resultado era possível. Nós esperávamos qualquer resultado possível. Temos convicção na responsabilidade penal da doutora Kátia Vargas, foi um julgamento apertado e cabe recurso. Vamos apelar e pedir a reforma dessa decisão. Ainda cabe recurso ao tribunal, ao STJ e ao STF”, disse.

Ele acrescentou que a família de Emanuel e Emanuelle segue lutando por justiça. “A família vê isso como uma espécie de guerra. Isso foi só uma batalha. Nós vínhamos vencendo todas as batalhas até aqui. Foi uma luta de quatro anos para chegar até aqui. Tivemos o revés, tivemos uma derrota, perdemos uma batalha, mas a guerra ainda não acabou”, declarou. CORREIO DA BBAHIA

Enquete

Você concorda com a reforma da previdência?

*Enquete encerrada.
  • 3%
  • 24%
  • 74%