Vereadores de São Paulo aprova instalação de chips em uniformes das escolas municipais - Educação | Valter Vieira - Informação de qualidade
24 de junho de 2018
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

EDUCAÇÃO - 05/10/2017

Vereadores de São Paulo aprova instalação de chips em uniformes das escolas municipais

Vereadores de São Paulo aprova instalação de chips em uniformes das escolas municipais A Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta quarta-feira (4) um projeto de lei que determina a instalação de chips eletrônicos nos uniformes de escolas municipais de ensino fundamental destinado ao controle de presença dos alunos. Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, a votação foi em caráter de segundo turno, portanto já segue para sanção do prefeito João Doria (PSDB). O projeto determina que os microchips sejam instalados nos brasões dos uniformes e enviem mensagens para os responsáveis pelas crianças nos horários em que elas entrem e saiam das instituições. Para isso, será necessária a instalação de sensores na área dos portões das escolas. "Para mim, é algo revolucionário. Os pais e mães vão receber torpedos, como aqueles que você recebe de bancos ou da [operadora] Sky, assim que os filhos entrarem ou saírem das escolas. Vão receber torpedos com a mensagem 'seu filho adentrou a escola' ou 'seu filho saiu da escola'", afirma o vereador Camilo Cristófaro (PSB), que é autor do projeto de lei. Cristófaro diz já ter discutido o projeto com o prefeito. "O Doria está reclamando, perguntando quem vai pagar. É a prefeitura que tem que pagar, oras. Vamos torcer para que sancione". O texto teve aprovação simbólica da maioria, sem destaque nominal dos votantes. Nove vereadores se posicionaram contra a proposição, sendo a maioria deles de partidos de oposição, como PT e Psol. A ideia já tinha sido implantada em 2012 nas escolas municipais de Vitória da Conquista, na Bahia, mas após falhas consecutivas no sistema, como mensagens atrasadas ou "alarmes falsos", o projeto foi cancelado um ano depois. O investimento foi de R$ 1,1 milhão.  BN

Enquete

Você concorda com a reforma da previdência?

*Enquete encerrada.
  • 3%
  • 24%
  • 74%