Cineasta Nelson Pereira dos Santos morre no Rio de Janeiro aos 89 anos - Brasil | Valter Vieira - Informação de qualidade
22 de abril de 2018
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

BRASIL - 21/04/2018

Cineasta Nelson Pereira dos Santos morre no Rio de Janeiro aos 89 anos

Cineasta Nelson Pereira dos Santos morre no Rio de Janeiro aos 89 anos Morreu neste sábado, 21, aos 89 anos, o cineasta Nelson Pereira dos Santos, um dos nomes importantes do Cinema Novo. Ele estava internado havia uma semana no Hospital Samaritano, na zona sul da cidade. Às 17 horas, a família confirmou a morte, em consequência de um câncer de fígado diagnosticado há 40 dias.

Diretor de filmes fundamentais da história do cinema brasileiro, como Rio, 40 graus (1955) e Vidas Secas (1963), ele realizou seus últimos longas em 2012: os documentários musicais A música segundo Tom Jobim e A luz do Tom. Além de dirigir, era também roteirista de seus filmes.

“Ele estava ótimo, não estava doente. Foi internado com uma pneumonia, na semana passada, que cedeu. Estava lúcido, mas cansado. Morreu sem dor, uma morte tranquila, com toda a família reunida”, disse a publicitária Mila Chaseliov, neta do cineasta.

Nelson teve quatro filhos e cinco netos. “Foi um avô muito presente. A gente tinha muitas discussões intelectuais. Foi quem me ensinou a beber uísque, num show, aos 19 anos. Eu me senti muito adulta na hora”, lembrou a publicitária.

O cineasta participou da formação intelectual de netos, lembrou Mila. “Eu descobri como ele era importante ainda na escola. Todo mundo que eu encontro, quando descobre que sou neta do Nelson, fala do quanto ele é incrível”.

Em 2006, Nelson foi eleito para a Academia Brasileira de Letras, na sucessão do diplomata Sergio Corrêa da Costa. Passou a frequentar a Casa de Machado com assiduidade. Atuava na programação cultural da instituição.

Ele nasceu em 22 de outubro de 1928, em São Paulo. Formou-se advogado em 1952. A partir dos anos 1940, trabalhou como revisor e repórter de jornais como o Diário da Noite e O Tempo, na capital paulista. Nos anos 1950, no Rio, trabalhou também no Diário Carioca e no Jornal do Brasil. Mais tarde, seria professor da Universidade Federal Fluminense, cujo curso de graduação em cinema foi fundador. METRÓPOLES

Enquete

Você concorda com a reforma da previdência?

*Enquete encerrada.
  • 3%
  • 24%
  • 74%